FANDOM


Afogadores' (também conhecidos por Drowners, ou Afogardos e demos dos pântanos, são criaturas que nascem da morte de um humano dentro ou ao redor da água. Afogados vivos ou jogados em águas profundas após a morte, eles retornam como criaturas vingativas que espreitam os habitantes de assentamentos costeiros. Estas criaturas arrastam vítimas inocentes para a água, sendo muitas vezes encontradas nas margens do  Afogard, já que o grande rio com transportes regulares encontrado neste local os fornecem amplas presas. Afogadores frequentemente atacam em grandes grupos idiotas e tendem a tirar proveito de seus grandes números. Como eles já estão mortos, não temem venenos, e até mesmo uma grande perda de sangue não os impressiona.

Livros de Andrzej Sapkowski

Big Quote Left
Que tempos desgraçados, meu senhor! Há apenas vinte anos quem poderia imaginar, mesmo estando embriagado, que pudessem existir tais profissões? Bruxos! Assassinos errantes de basiliscos! Caçadores ambulantes de dragões e demos dos pântanos!
Big Quote Right
— Citação em um trecho do livro O Último Desejo
Big Quote Left
[...] não se deve lhe dar mais do que: por um afogardo, uma moeda de prata; por um gatolaco, duas moedas de prata; por um bampyro, quatro moedas de prata…
Big Quote Right
— Citação em um trecho do livro O Último Desejo
Big Quote Left
Para ser totalmente sincero, devo lhe dizer que não acredito que haja um monstro por estas bandas. Aquela criança que morreu afogada no lago pode ter tido uma câimbra. Mas todos se puseram a gritar que talvez fosse um afogardo ou uma quiquimora e que era preciso chamar um bruxo…
Big Quote Right
— Citação em um trecho do livro Tempo do Desprezo

The Witcher (PC)

Um afogador (Drowner, no game), uma criatura assustadora de lama e espuma, arrasta as pessoas para baixo em atoleiros e redemoinhos borbulhante. Alimenta-se de jovens mulheres que se banham nos rios e em algumas ocasiões puxa os homens fora de seus cavalos e carroças ao atravessarem uma ponte ou um açude. Afogadores surgem dos corpos de vilões que morrem em água corrente ou em ressacas que aparecem depois das chuvas. Estas criaturas aquáticas encarnam os espí­ritos daqueles que não podem descansar após a morte e são, às vezes, nascido de fetos abortados por meios mágicos. Eles são feios na aparência, magro, alto e ossudo. Seus corpos são viscosos e verde, como é seu cabelo. Sempre que um afogador passeia, no local surgem poças de substâncias viscosas. Esta criatura pode ser combatida com armas comuns.

Entrada no Bestiário

Afogadores são pilantras que terminaram suas vidas perversas na água. Afogados vivos ou jogados nas profundezas depois da morte, eles tornam-se criaturas vingativas que atormentam os habitantes dos vilarejos costeiros.

  • Ocorrência: Os afogadores são criaturas da noite; eles aparecem nas margens de lagoas, lagos e rios.
  • Imunidade: Imunes a sangramento, cegamento e venenos; eles são destemidos, imunes a tentativas de atordoá-los e ao Sinal Axii.
  • Vulnerabilidade: Muito sensíveis a prata e suscetíveis a tentativas de derrubá-los; o estilo de combate rápido é o mais eficiente contra afogadores; bruxos experientes usam o estilo de combate em grupo para lutar contra vários afogadores.
  • Táticas: Geralmente atacam em grupos grandes e usam a vantagem numérica para subjugar seus oponentes.
  • Itens de Alquimia: Possuem Cadaverine, ácido de Ginatz e tecido do cérebro de afogador.

The Witcher 2: Assassins of Kings


The Witcher 3: Wild Hunt


Entrada no Bestiário

Big Quote Left
Quando estiver às margens d'água, deve fazer silêncio. Primeiro, para não assustar os peixes. Segundo, para não atrair afogadores.
Big Quote Right
— Yanneck de Blaviken, pescador

Um afogador assemelha-se a um cadáver retirado do fundo de um lago. Ele é de um azul doentio ou verde, com gosmas e mucos escorrendo de todos os seus poros e o fedor acre de podridão emanando dele. É por isso que se acredita que afogadores, junto com os seus primos mais perigosos, os vodniks, barrosos e afogadores mortais, surgem dos corpos daqueles que se afogaram em águas rasas: viajantes perdidos que caem em pântanos, crianças que nadam para longe das margens ou, no caso dos vodniks, camponeses bêbados que se afastam das trilhas estreitas do pântano.

Como várias outras crenças sobre monstros, essa é falsa. Apesar de os afogadores parecem humanos a distância, bruxos, que já tiveram o prazer duvidoso de examiná-los de perto, relatam as várias diferenças anatômicas em relação à nossa. Eles têm pele escamosa, guelras e nadadeiras dorsais que sugerem que os afogadores, e os demais, sejam espécies completamente diferentes.

As adaptações mencionadas acima fazem dos afogadores excelentes nadadores, adeptos das águas barrentas de lagos grandes e pequenos nos quais vivem. Costumam acumular-se ao redor de assentamentos humanos, que são, para eles, uma excelente fonte de alimento.

São criaturas covardes por natureza e costumam se contentar com restos que desenterram de pilhas de lixo e carcaças animais. Porém, se um viajante solitário ou um pescador descuidado entrar no seu território, eles vão de coletores a predadores temíveis. Podem atacar com uma velocidade surpreendente, pegando a vítima de surpresa e arrastando-a para a água para afogá-la. Se não estiverem com muita fome no momento, eles mantêm a presa debaixo d'água por alguns dias, maturando-a até ficar deliciosamente macia e podre. Afogadores são particularmente ativos durante o crepúsculo e durante a noite, especialmente quando chove. Nesses momentos, eles deixam até as suas terras aquáticas para se aventurarem em terra firme.

Afogadores, barrosos, vodniks e afogadores mortais vivem em uma podridão suja tão grande que desenvolveram alta resistência a venenos. Embora tenham uma forma humanoide, são criaturas primitivas, não mais inteligentes que uma carpa ou um lúcio. É por isso que feitiços sobre a mente, inclusive o Sinal Axii, são ineficazes contra eles. Porém, são particularmente vulneráveis à magia do elemento fogo, inclusive o Sinal Igni.

Galeria

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.